Triste

Padrão


Agonizante sensação, lampejante canção
Trucido o interior do tecido, jaz amor
Fujo de mim, sujo por fim
Um jarro de dor, amarro o furor
Partido em cacos, a partida pra sempre
Erguerei-me na vastidão. Entregarei-me à solidão

Triste estou. Triste soou. Triste sou.
Na lança do tempo, a esperança no vento
Não encontro mais ninguém, só o monstro e além
Meu medo já presente, o peso já ausente

Vou-me indo pois só. Deixo somente o pó
Nessa história de coração, só na memória fica o não
Já não creio em mais nada. Fugirei em plena madrugada
E que encontrem o que resta de mim.
Ou logo chegará então o fim…

Deixe uma resposta